Algumas atividades físicas podem fazer com que o cérebro trabalhe melhor e e atue na prevenção de doenças

Por: Greyce Vargas/Especial

Conheça cinco exercícios que fortalecem o cérebro Pablo Wiedemann/Divulgação

Foto: Pablo Wiedemann / Divulgação

Quando mexemos o corpo, seguimos uma coreografia, dançamos em pares ou seguimos os passos na hidroginástica mais do que movimentar braços e pernas estamos fazendo o cérebro se movimentar também. Exercícios que fazem com que o coração bata mais rápido, bombeam mais sangue para todo o corpo e fazem com que mais oxigênio chegue ao cérebro.

– O oxigênio é o alimento do nosso corpo e um cérebro mais oxigenado funciona melhor – explica a educadora física Suzana Hübner Wolff, que coordena o grupo Pró-Maior, que atende pessoas com mais de 60 anos.

Alzheimer, demência e perda de memória não tem cura e ainda não podem ser evitados, mas os exercícios que fortalecem o cérebro previnem e retardam a chegada de doenças que afetam o poder cognitivo. Exercícios que movimentam os membros superiores e inferiores com tarefas que exigem memorização, equilíbrio e coordenação fazem o cérebro trabalhar mais e cada vez melhor.

– Pilates e alongamento também são benéficos para o corpo, mas não atuam de forma tão intensa na ativação do cérebro. São ótimos exercícios também, mas quem quer fazer o cérebro se movimentar precisa incluir outras tarefas na rotina – explica Wolff.

Dedicar uma hora por dia, no mínimo, três vezes na semana ao exercício de baixa a média intensidade faz com que o cérebro do idoso, que teoricamente entraria em processo de declínio em função da idade, se rejuvenesça.

– Se a atividade for desafiadora, prometer ensinar algo novo e for executada na lógica da aventura, a tendência é tornar os atletas viciados no prazer que ela promove.

Conheça os cinco exercícios que vão fazer seu cérebro entrar em forma:

1. Ginástica com coreografia
Quando os movimentos não são automatizados, mas precisam seguir uma ideia que precisa ser memorizada, o cérebro é rapidamente ativado para “decorar” os passos e não errar.

2. Dança de salão
O par precisa estar sincronizado para a dança ser boa. A dança de salão atua diretamente no cérebro porque o ritmo e os passos precisam ser memorizados, novos movimentos devem ser planejados e inseridos durante a dança e tudo isso deve ser coordenado com quem está junto de mãos dadas e braços na cintura.

– A dança de salão é um dos exercícios que mais coloca o cérebro para trabalhar. Mas a melhor parte é que dá uma enorme sensação de prazer, e isso faz com que os idosos não tenham vontade de parar.

3. Ginástica com ritmos
É uma mistura de aeróbica com dança adaptada para a terceira idade. O exercício pode misturar movimentos do balé com elementos como corda, bola, arco, fitas. Tudo isso ao ritmo de axé, salsa, dance e até hip hop.

4. Exercícios em grupo
– Quando uma atividade precisa do apoio de um colega para ser executada, além de exercitar o companheirismo e promover a amizade, demanda coordenação, sincronização e equilíbrio. Assim, num grupo um depende do outro para executar a tarefa, mas também para ter segurança para não cair ou não errar um movimento – comenta a professora.

5. Hidroginástica
Além de ser um exercício que relaxa, a hidroginástica mistura ritmos, aeróbico, coordenação, equilíbrio e coreografia. O cérebro recebe dois recados: movimente-se e aproveite.

– Só não pode ser feito por quem tem medo de água. Aí a mensagem prazerosa será substituída pela ansiedade e isso não é nada bom para o cérebro.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *